MPE requer indisponibilidade de bens de ex-governador e ex-secretário até R$ 31 milhões

Publicado dia 07/08/2017 às 11h57min

A ação foi proposta pelo Núcleo de Defesa do Patrimônio Público e está sob a responsabilidade do promotor de Justiça Clovis de Almeida Junior.

O Ministério Público estadual (MPE) ingressou com ação civil requerendo a indisponibilidade de bens dos investigados na Operação Sodoma 4 até o valor de R$ 31 milhões. O montante visa ressarcir o erário do desvio realizado por meio da desapropriação de imóvel conhecido como Jardim Liberdade.

A ação foi proposta pelo Núcleo de Defesa do Patrimônio Público e está sob a responsabilidade do promotor de Justiça Clovis de Almeida Junior. Além do bloqueio dos bens, o MPE quer a condenação dos investigados Silval Barbosa (PMDB) e dos ex-secretários de Estado, Pedro Nadaf, Marcel de Cursi, Arnaldo Alves de Souza, do ex-chefe de gabinete Silvio Cézar Correa de Araújo, o advogado Levi Machado, e dos empresários Alan Malouf, Valdir Piran e Filinto Muller.

O desvio já foi confirmado por Silval Barbosa e teve como objetivo a quitação de dívida junto ao empresário Valdir Piran, também réu na Operação Sodoma 4.

O Estado pagou R$ 31 milhões de indenização pela desapropriação ao dono da área, o arquiteto Antonio de Carvalho, que estabeleceu acordo com o ex-procurador Francisco Lima para que devolvesse a metade do valor para o grupo criminoso.

Dos R$ 15 milhões que retornaram a organização, R$ 10 milhões foram destinados a Silval que os repassou a Piran para o pagamento da dívida. O restante dividido entre os membros do grupo compostos por Pedro Nadaf, Marcel de Cursi, Francisco Lima, Afondo Dalberto e Filinto Muller e João Justino, ex-presidente na Companhia Mato-grossense de Mineração (Metamat).


Fonte Hiper Notícias


Comentários

Aviso: Todo e qualquer comentário publicado na Internet através do Notícia Vip, não reflete a opinião deste Portal.