Redes Sociais
Redes Sociais

Direto da Redação

TV Assembléia visita Projetos de Mineração, Piscicultura e Ranicultura

Comissão Ambiental da AL/MT esteve em Peixoto de Azevedo e Matupá para conhecer projetos empreendedores e sustentáveis.

A extração mineral no Vale do Rio Peixoto continua sendo uma das principais e maiores fontes de renda para as cidades da área de abrangência da Cooperativa de Garimpeiros – Coogavepe.

Atualmente são mais de 239 Permissões de Lavra Garimpeira outorgadas pelo Departamento Nacional de Produção Mineral – DNPM nesses municípios.

Além de gerar empregos, renda e aquecer a economia local, todo passivo ambiental é obrigatoriamente recuperado pelos garimpeiros com consultoria e assistência técnica dos profissionais da Coogavepe.

Neste contexto estão sendo desenvolvidos três tipos de projetos de recuperação de áreas degradadas, sendo: reflorestamento, piscicultura e fruticultura.

A fim de conhecer ‘In Loco’ a evolução e desenvolvimento desses projetos e cadeias produtivas, o Presidente da Comissão de Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Recursos Minerais da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, Deputado Dilmar DalBosco, esteve em Peixoto de Azevedo juntamente com a Equipe de Jornalismo da TV Assembleia e Técnicos do Núcleo Ambiental, visitando um exemplo extraordinário e referencial de recuperação dos impactos ambientais provocados pela mineração. Eles estiveram na Fazenda e Piscicultura Longo – localizada na Gleba ETA a 6 km da sede do município em uma região garimpada há mais de 25 anos.

Durante visitação a propriedade acompanhada também por uma delegação de 30 produtores da Itaituba/PA, o parlamentar, técnicos no Núcleo Ambiental e reportagem da TV Assembleia conheceram o projeto de criação de peixes da espécie Pirarucu e o processo de alevinagem, recria e engorda.

Antigas cavas de garimpo deram lugar a mais de 13 tanques de piscicultura com dimensões superiores a 7.000 M² e cerca de dez hectares de lâmina d’agua. A denominada Fazenda de Pirarucus conta atualmente com 12.000 peixes em fase desenvolvimento.

O empresário Vilamir Longo solicitou apoio do parlamentar na celeridade do processo de emissão ou dispensa de Licenciamentos Ambientais pela SEMA, linhas de credito governamentais para cadeia produtiva de piscicultura, assistência técnica por parte da EMPAER e a viabilização da construção de uma fábrica de ração e frigorífico através do Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Sustentável Portal da Amazônia.

Dilmar DalBosco esteve no projeto de criação de rãs que está sendo desenvolvido em Matupá. A atividade iniciada em meados de 2002 com incentivos do extinto Programa de Apoio Direto ás Iniciativas Comunitárias (PADIC) se estagnou devido a falta de recursos governamentais para a fomentação da produção e a conclusão do abatedouro que se encontra até hoje inacabado. O empreendimento foi repassado pelo Governo do Estado a uma associação de produtores que retomara o Projeto de Ranicultura.

“Farei gestões junto ao Governo de Mato Grosso e a Secretaria de Estado de Agricultura Familiar e Assuntos Fundiários para que efetivamente os ranários sejam reativados, pois a atividade é altamente lucrativa, quer seja para consumo humano e aproveitamento de seus subprodutos. Precisamos alavancar essa cadeia produtiva intensiva e higiênica de rãs para abate, industrialização e comercialização nos mercados Mato-grossense e Brasileiro”, destacou o Deputado Dilmar DalBosco.

Os vereadores Eduardo Feitosa e Josivânia Amorim parabenizaram a iniciativa do empresário e empreendedor Vilamir Longo, e reforçaram a solicitação ao deputado estadual para a desburocratização do processo de emissão de licenciamentos ambientais para piscicultura. Eles aproveitaram o ensejo para reivindicar o fortalecimento da Unidade Local da EMPAER em Peixoto de Azevedo visando a otimização da assistência técnica a campo, bem como a criação de ferramentas e mecanismos que possam ser contributivos ao financiamento do projeto junto as instituições financeiras com o aval do Governo do Estado de Mato Grosso.

Carne de Rã

A carne de rã é recomendada por médicos e nutricionistas, pois a taxa de gordura é de 3%, sendo a única carne produzida em cativeiro que possui os 10 aminoácidos básicos para o ser humano e com digestibilidade alta, por ser formada por moléculas de cadeia curta. O grande interesse por essa carne é devido principalmente ao fato de ser ela muito saborosa, satisfazendo aos gostos mais exigentes. Além disso, é rica em proteínas, sais minerais e vitaminas, e quase isenta de hidratos de carbono. É uma carne de cor branca-marfim, macia, de boa digestibilidade, excelente sabor, qualidade e alto valor energético, parecendo com a dos coelhos ou frangos ou a dos borrachos (filhotes de pombos ainda empenados), estando o seu gosto entre a dos frangos e a dos peixes.

A visita técnica da Comissão e Núcleo Ambiental da AL-MT na região aconteceu na área que já foi garimpada há mais de 30 anos localizada na Linha do Peixe, a 15 km da cidade de Matupá onde está sendo desenvolvido um dos maiores projetos de criação de peixes da espécie Pirarucu do estado de Mato Grosso.

De propriedade do garimpeiro, Valdecir Alves da Costa (Gauchinho), antigas cavas e crateados de garimpo transformaram-se em mais de 40 tanques e berçários para criação de peixes em uma extensão de 150.000 M² de lâmina de água. Atualmente são mais de 20.000 pirarucus distribuídos em alevinos, cria, recria e engorda. A meta é chegar a 150.000 unidades em 2016. O projeto privado de grande envergadura conta inclusive com uma fábrica de ração.

“Dentre as novas atividades do meio rural, a piscicultura destaca-se como alternativa de recuperação dos passivos ambientais provocados pelo garimpo e eficiente fonte de renda nas pequenas e médias propriedades rurais, por proporcionar variadas opções de comercialização, como a criação de alevinos, engorda de peixes ou lazer, como os pesque-pague e a pesca esportiva. No caso específico do Pirarucu, vislumbra-se a oportunidade de exportar a carne e o aproveitamento seus subprodutos de valor comercial potencial, como é o caso do couro. Quero evidenciar aos empreendedores Vilamir Longo e Valdecir da Costa que estarei na Assembleia Legislativa propondo ao Governador Pedro Taques leis que incentivem e consolide de fato esta importante atividade econômica”, enfatizou Dalbosco.

Os profissionais que atuam no quadro técnico da Cooperativa de Garimpeiros do Vale do Rio Peixoto – Coogavepe, Laura Reis Fuão (Engenheira Florestal), Sandra Paixão (Gestora Ambiental) e Josimar Passos (Biólogo) acompanharam as visitas desenvolvidas pela Comitiva da AL/MT e apresentaram os projetos de recuperação de áreas degradadas que estão sendo desenvolvidos pela COOGAVEPE junto aos seus mais de 4.600 cooperados.

Comentários
Aviso Legal: Qualquer texto publicado na internet através doNotícia Vip , does not reflect the opinion of this site or its authors and is the responsibility of the readers that publish.

Saúde

Nova Santa Helena na Luta Contra as Hepatites Virais

Secretaria de Saúde realizará mobilização neste sábado com a disponibilização do Teste Rápido.

Nova Santa Helena na Luta Contra as Hepatites Virais
Foto: Unidade Básica de Saúde

A Secretaria Municipal de Saúde de Nova Santa Helena está mobilizada para desenvolver no próximo sábado dia 20 de julho das 8:00 as 16:00 horas as ações de vigilância, prevenção e controle das hepatites virais na Unidade Básica .

Trata-se de doenças que acometem o fígado e pode ser causada por vírus ou pelo uso de alguns remédios, álcool e outras drogas, bem como por doenças autoimunes, metabólicas e genéticas.

As hepatites virais mais comuns são as causadas pelos vírus A, B e C. É importante saber que o diagnóstico precoce é fundamental para o tratamento, pois elas correm o risco de evoluírem (tornarem-se crônicas) causando danos mais graves ao fígado, como cirrose e câncer.

São doenças silenciosas que nem sempre apresentam sintomas, mas, quando estes aparecem, podem ser cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

A transmissão da doença pode ocorrer em ambientes com condições precárias de saneamento básico e água, de higiene pessoal e dos alimentos (hepatite A e E), também por contato com sangue por meio de compartilhamento de seringas, agulhas, lâminas de barbear, alicates de unha e outros objetos que furam ou cortam (vírus B, C e D), durante a gravidez e o parto, e pela relação sexual desprotegida (hepatite A, B, C e D.

“Nossa equipe da Unidade Básica de Saúde João Alberto Zanetti preparou o ambiente e providenciou decoração temática da Campanha ‘Julho Amarelo’ para receber os cidadãos e estará realizando os testes rápidos de hebatites B e C. Convidamos toda a comunidade para esta atividade de saúde preventiva, lembrando que não haverá intervalo para o almoço. Serão duas salas específicas para o procedimento e o resultado do exame é praticamente imediato”, comentou o Enfermeiro Emerson Cazari.

Prevenção

A melhor estratégia de prevenção das hepatites inclui a melhoria das condições de vida, com adequação do saneamento básico e medidas educacionais de higiene, além de não fazer sexo desprotegido, não compartilhar alicates de unha, lâminas de barbear, escovas de dente e equipamentos para uso de drogas.

O Secretário de Saúde, Luiz Fernando Pereira da Silva, falou da importância do teste rápido, uma vez que permite que a análise seja processada na própria UBS que por sua vez que possui atendimento humanizado e o paciente já sairá com o resultado em mãos, fator que otimiza o acesso ao tratamento quando necessário.

As Coordenações da Atenção Básica e Vigilância em Saúde lembram que menores de 16 anos obrigatoriamente deverão estar acompanhados de seus respectivos pais ou responsáveis legais para realização do Teste Rápido.

Nova Santa Helena Contra as Hepatites Virais.

Continue Lendo

Matupá

Judiciário e MPE de Matupá - Palestra contra o uso de drogas ao volante

Esteve em pauta os malefícios do uso do Rebite e as penalizações criminais aos usuários e aos que comercializam a sustância proibida.

Judiciário e MPE de Matupá - Palestra com o uso de drogas ao volante
Foto: PRF, MPE, Judiciário e Parceiros

Proprietários de Postos de Combustíveis, Frentistas, Caminhoneiros e Motoristas de Transporte Coletivo acolheram o chamamento do Poder Judiciário e o Ministério Público Estadual de Matupá e marcaram presença na Sala do Tribunal do Juri da Comarca para acompanhar a palestra orientativa e de conscientização contra o ‘Uso de Drogas ao Volante’, em especial o chamado ‘Rebite’.

O evento foi aberto e coordenado pela Juíza de Direito Dra. Suelen Barizon que agradeceu a presença de todos nesta discussão séria e que deve ser enfrentada, a começar no campo da conscientização dos profissionais do volante, pois o uso dessas substâncias além de ser considerado crime causa danos e sequelas a saúde do usuário e pode resultar em acidentes fatais nas rodovias da região.

A Médica Endocrinologista e Metabologista Dra. Geane Moron Beato, utilizou de recursos audiovisuais para abordar o efeito do uso do rebite, que dispara reações químicas no sistema nervoso, causando agitação, falta de sono, euforia e uma falsa sensação de bem-estar. Ela deixou claro que logo em seguida o corpo reage apresentando sintomas de confusão mental, distração, irritabilidade, coordenação motora comprometida, ansiedade, entre outros.

Em sua palestra o Promotor de Justiça Dr. Marcelo Mantovani Beato, informou e esclareceu que o motorista que for flagrado utilizando Rebite  além de ter a CNH apreendida e poderá responderá na área criminal, podendo até mesmo ser preso por tráfico de entorpecentes, já que a droga consta na lista do Ministério da Saúde, como substância proibida.

O Policial Rodoviário Federal, Heber Araújo, apresentou dados, estatísticas e relatórios oficiais sobre os casos e ocorrências relacionadas ao consumo de álcool e drogas ao volante. No caso específico da anfetamina (Rebite) usado pelos caminhoneiros para inibir o sono e prolongar a viagem, desrespeitando, assim, a Lei do Descanso e colocando em risco o próprio condutor e os usuários das rodovias.

A campanha encabeçada pelo Judiciário e o MPE visa formar agentes voluntários que possam orientar, auxiliar, ajudar e conscientizar os usuários dos perigos e malefícios da substância. Tudo Pela Vida e pela Segurança nas estradas.

Continue Lendo

Peixoto de Azevedo

COOGAVEPE presta assistência na execução do PRAD

Cooperativa de Garimpeiros faz acompanhamento de recuperação de área degradada na região do Troca Tiro.

COOGAVEPE presta assistência na execução do PRAD
Foto: Visitação a área em recuperação ambiental

A nossa equipe de reportagem acompanhou mais uma vistoria técnica da equipe ambiental da Cooperativa de Garimpeiros do Vale do Rio Peixoto – COOGAVEPE.
Desta vez o deslocamento foi a cerca de 18 Km de Peixoto de Azevedo na região conhecida como ‘Troca-Tiro’.

Inicialmente foi afixado na sede administrativa do garimpo o ‘Mural Informativo’, onde constam os documentos inerentes a legalização da atividade junto aos órgãos competentes (Licenças Ambientais) entre outros informes de interesse da classe garimpeira.

Logo em seguida os Técnicos do Departamento Ambiental vistoriaram os serviços desenvolvidos pelo ‘Gestor Cooperado’ no que tange ao fechamento das cavas exauridas e a fase de nivelamento da área de 25 hectares, que ainda receberá a correção orgânica do solo e posteriormente plantio de sementes de pastagens. Também será feito o plantio de mudas para a regeneração das espécies florestais nativas, exóticas e frutíferas.

Na localidade, ao longo de 10 anos ocorreu a exploração mineral aurífera e neste contexto ficou evidente o cumprimento das metas e obrigatoriedades da legislação concernentes ao Plano de Recuperação de Área Degradada – PRAD, possibilitando a emissão e o encaminhamento do relatório técnico detalhado requerendo a renovação dos Licenciamentos para Lavra Garimpeira de Ouro.

Durante a visitação percebeu-se a dinâmica e o planejamento da frente de garimpagem, na abertura das pistas, no sistema de reuso da água em circuito fechado, utilização de maquinários pesados na otimização da produção e as precauções necessárias para minimizar drasticamente os impactos ambientais na atividade de extrativismo de ouro.

Outro fator positivo diz respeito a infraestrutura implementada no garimpo, que conta com Central de Amalgamação, Alojamentos Humanizados, Refeitório, Almoxarifado, Banheiros Individualizados, entre outras dependências cuidadosamente aparelhadas.

A Cooperativa de Garimpeiros do Vale do Rio Peixoto continua comprometida no sentido de trabalhar ações e projetos de saúde, segurança no trabalho, gestão econômica, educação ambiental e manutenção da legalização da atividade mineral dentro dos preceitos exigidos pelos órgãos governamentais fiscalizadores.

Estiveram presentes a campo o Biólogo Josimar Passos, o Técnico Ambiental Elcio Pereira, a Assistente Kauane Karla e a equipe de Comunicação da COOGAVEPE.

Continue Lendo

Mais lidas da semana