Redes Sociais
Redes Sociais

Mato Grosso

Caminhoneiros em MT sentem dificuldades para transportar soja

Atrasos estão sendo causados devido as medidas de prevenção ao Covid-19

Caminhoneiros em MT sentem dificuldades para transportar soja
Foto: Divulgação

Caminhoneiros de Mato Grosso enfrentam dificuldades para transportar a safra de soja com as medidas de prevenção à Covid-19. As empresas transportadoras e que contratam fretes na região norte do estado informaram que alguns carregamentos de soja estão atrasados, já que quase a metade dos profissionais estão parados.

Por enquanto, os valores dos fretes seguem normais para o período. De Sinop ao Porto de Miritituba, no Pará, o frete de grãos custa em média R$ 160 a tonelada.

O caminhoneiro Antônio Duvier diz que 90% dos estabelecimentos que ficam na beira das estradas, como restaurantes, mercados e borracharias, estão fechados e isso compromete o trabalho dele.

"Se fura o pneu do caminhão, nós temos que parar em uma borracharia para trocar, substituir pelo estepe. A maioria das borracharias estão fechadas, como é que vamos fazer? Além disso, os restaurantes estão fechados e o tempo para abrir a cozinha do caminhão e preparar a própria comida é maior", explica.

Clóvis Cabral da Silva também é caminhoneiro e se prepara para encarar essas dificuldades. Ele irá viajar, nesta semana, quase 1.000 km da BR-163, saindo de Sinop, no norte de Mato Grosso, até o Porto de Miritituba, no Pará. O caminhão que o profissional dirige vai carregar até o estado vizinho, 31 toneladas de soja.

Para amenizar as dificuldades, Clóvis se preparou e fez compras. Ele vai ter que preparar a própria comida durante as paradas. Isso porque na última viagem que fez, encontrou os restaurantes fechados.

Além dos alimentos, ele já comprou produtos de higiene e limpeza. "Nós temos que ter álcool no caminhão. Como o álcool em gel mesmo está difícil de encontrar, eu comprei álcool comum e tenho as máscaras", explica.

Segundo o presidente da Cooperativa de Logística e Transportes de Bens (Cooperlog), Cleomar Immich, muitos profissionais vem lidando com dificuldades por causa da falta de produtos.

"Hoje, quase 50% dos caminhoneiros do município não estão trabalhando, por causa da falta de assistência na estrada. E quem continua trabalhando tem sido orientado a tomar todos os cuidados necessários", afirma.

Comentários
Aviso Legal: Qualquer texto publicado na internet através doNotícia Vip , does not reflect the opinion of this site or its authors and is the responsibility of the readers that publish.

Peixoto de Azevedo

Secretaria de Transportes de Peixoto está com frente de serviço na Estrada E-60

Secretaria faz patrolamento, cascalhamento e rebaixamento de serra na E-60 em território Peixotense

Secretaria de Transportes de Peixoto está com frente de serviço na Estrada E-60
Foto: Rebaixamento de Serra

A Secretaria de Transportes de Peixoto de Azevedo em parceria com Associações de Produtores está com uma frente de serviço na Estrada E-60 a cerca de 160 Km da sede do município, região esta com mais de 11.000 hectares de plantio de grãos.

Segundo o Secretário, Júnior Doideira, estão sendo desenvolvidos patrolamento e cascalhanto de trechos críticos, além da execução do trabalho de rebaixamento de serras para facilitação do transporte da produção agropecuária.

“A administração municipal está empenhada na formalização de parcerias para a restauração das estradas rurais de todos os assentamentos. Nossos maquinários passaram por manutenções e revisões, e de imediato foram colocados na ativa para revitalizar e garantir o transporte de gado, grãos, leite, madeira e alimentos da agricultura familiar. Continuaremos nos esforçando ao máximo para que as vias do interior estejam aptas para a trafegabilidade”, disse o Secretário.

Uma patrulha composta por PC, caminhões basculantes e trator de esteira permanece na região executando os serviços.  

Continue Lendo

Mais lidas da semana